Juntos fazemos o bem!

AEBVB

Mensagem - Abril/2014

“Provai e vede que o Senhor é bom; bem-aventurado o homem que nele confia.”Salmos 34:8

 

Jéssica e Jeferson foram acolhidos na Cidade da Criança, quando ela tinha 1 ano e 6 meses e Jeferson, 4 meses.

Os pais não tinham lugar definido para morar e nem emprego fixo. Usavam as crianças para pedir dinheiro nas casas e nos carros, o dinheiro na maioria das vezes era usado para comprar bebida alcoólica.

Logo que chegaram na Cidade da Criança, apresentaram saúde frágil, Jéssica teve várias crises de bronquite e Jeferson crises de pneumonia ficando internado várias vezes, depois de tratados não apresentaram mais estes problemas de saúde.

As crianças recebiam visitas dos pais, que geralmente eram bastante conturbadas, devido ao alcoolismo.

Depois de um período a mãe passou a realizar visitas na companhia de outro homem, apresentando-o como seu novo companheiro, disse que ele iria assumir a paternidade de Jeferson e em uma das visitas entregou a certidão de nascimento de Jeferson que passou a se chamar Anderson.

Passados cinco anos, a mãe levou as crianças para passar o período de férias, mas recebemos um telefonema anônimo denunciando que as crianças estavam sendo maltratadas pelo companheiro da mãe e que elas não tinham alimento na casa. Aos sete anos de idade Anderson começou a apresentar características de hiperatividade  e momentos de déficit de atenção, tinha problemas de comportamento nas escola e no abrigo, nos atendimentos contava histórias da sua imaginação, fugindo do seu contexto e realidade. Ele passou a ser atendido por psiquiatra e a ser medicado. Jéssica sempre apresentava comportamento calmo e obediente, apesar de desatenciosa, tinha bom rendimento escolar.

O tempo foi passando e as crianças não tinham mais o desejo de ficar na companhia da mãe, desejavam ser adotados. Jéssica temia ficar no abrigo até dezoito anos, dizia que por conta do comportamento do irmão eles nunca seriam adotados. Eles passavam férias escolares com Famílias de Apoio, mas nunca houve famílias interessadas em ficar definitivamente com eles.

Foi então, que em meados de 2013, Anderson começou a passar os finais de semana com uma das funcionárias, a Sra. Maria Soledade. Ela nos disse, que quando começou a trabalhar na Cidade da Criança, Deus falou que havia a trazido para este lugar para uma missão. Que quando viu Anderson pela primeira vez na casa-lar, sentiu um grande amor por ele e quando o levou para casa, seu esposo e filhos também gostaram muito dele.

No mês de outubro de 2013, Anderson passou a residir com a família.

Ficou então a expectativa sobre o futuro de Jéssica. No mês de março de 2014, numa audiência com o Juiz, uma outra funcionária, a Simone, manifestou o desejo de ficar com Jéssica. Ela nos disse que estava orando e pensando nessa possibilidade, pois conhece Jéssica desde pequena.

Jéssica, já está convivendo com a família de Simone e no momento estamos  aguardando o Juiz conceder a guarda para Simone.

A história destas crianças contém muito mais detalhes do que relatamos aqui. É uma história de perdas e abandono. Mas também é uma história do cuidado de Deus e da sua bondade  para com Jéssica e Anderson.

Louvamos a Deus, porque aqui na Cidade da Criança, estas crianças que hoje são adolescentes, foram cuidadas, amadas e encontraram cada um, uma família.

Que ao ler esta história, você também possa reconhecer a bondade de Deus sobre a sua vida e de seus familiares.

Você, querido irmão, querida irmã que tem sido parceiro do Ministério Vale da Benção, também tem sido instrumento para abençoar tantas outras crianças, adolescentes e famílias.

Continue conosco! Continue com nossas crianças!

Débora Lília dos Santos Fahur

Diretora de Programas Sociais